Seminários, feiras e exposições no circuito de artes visuais

Evento gratuito iniciou nesta quarta-feira (29/06), no Palacete Provincial e vai sexta-feira (1º/07), 24 palestrantes locais de outros Estados participarão do encontro

Incentivar o trabalho de artistas visuais, trocar experiências e potencializar a economia criativa no segmento são propostas do “Amazonas Artes Visuais 2022 – Vidas Coletivas”, evento que contempla mostras e feiras nos espaços culturais da cidade. A programação iniciou, nesta quarta-feira (29/06), com o Seminário de Artes Visuais, no Palacete Provincial (na Praça Heliodoro Balbi, no Centro).

Até sexta-feira (1º/07), 24 palestrantes locais de outros Estados participarão do encontro promovido pelo governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. O secretário Marcos Apolo Muniz destaca que a iniciativa segue uma orientação do governador Wilson Lima, de atender a todos os segmentos culturais.

“Hoje as artes visuais estão sendo prestigiadas, através desta ampla exposição de feira, palestras, debates com uma adesão significativa importante que, certamente, terá visibilidade a muitos profissionais do setor”, declara o titular da pasta.

Ainda no Palacete Provincial foi organizada uma feira para exposição e comercialização de produtos de artistas individuais e coletivos, além da mostra inédita, “Yurupari 2022”, de Denilson Baniwa.

O curador do evento, Cristóvão Coutinho, ressalta que a proposta saiu do papel depois de oito anos, interrompida pela pandemia, e reflete a vontade de artistas, pesquisadores, curadores, agentes culturais e o público em geral.

“A intenção foi abranger o segmento como um todo, tanto da criação, do pensamento e arte, quanto da venda dos trabalhos. A feira tem o intuito de identificar os espaços e os artistas que estão trabalhando no sentido da economia criativa”, revela o curador.

Incentivo a mercado das artes

Um dos palestrantes do seminário, Carlysson Sena, que está à frente da “Manaus Amazônia Galeria de Artes”, pretende abordar o mercado das artes e as várias possibilidades de incentivar o segmento. Ele ressalta que o seminário é fundamental neste sentido.

“Estamos em um momento que precisamos gerar público em artes visuais, mas também o conhecimento. O seminário trouxe pessoas que geram conhecimento sobre a Amazônia para palestrar e que estão, de fato, fazendo ações práticas”, afirmou Carlysson Sena.

Ainda na esteira da economia criativa, a feira reúne expositores como, Hadna Abreu, representando a Manart, que desenvolve estampas a partir de obras de artistas amazonenses.

“Nos vemos como um grande bioma, em que cada um vai complementando o outro. São vários estandes, galerias, artistas expondo, falando sobre artes, isso é muito importante para adicionar ainda mais à cidade, o pensamento sobre arte e cultura”, complementa.

Os seminários acontecem até sexta-feira (1º/07), das 9h às 12h e das 14h às 18h, no auditório do Palacete Provincial.

A Mostra de Artes conta com 11 exposições individuais e coletivas, entre a Galeria do Largo e o Palácio da Justiça. As performances artísticas acontecem na Galeria do Largo, Palacete Provincial e na Praça Heliodoro Balbi.

As atrações musicais são a partir de quinta-feira (30/06), às 18h, no Largo de São Sebastião. O encerramento dos seminários acontece na sexta-feira (1º/07), às 18h, com apresentação de Yra Tikuna e, no sábado, a partir das 9h, tem diversas manifestações artísticas e música, na Praça Heliodoro Balbi.

FOTOS: Alessandra Mourão/Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.