Milton Gonçalves, ícone da TV brasileira, morre nesta segunda-feira, aos 88 anos, no Rio de Janeiro

Ator que venceu preconceitos e lutou pelo reconhecimento do trabalho dos negros, morreu em casa, por consequências de problemas de saúde que vinha enfrentando desde que teve um AVC

O ator e diretor Milton Gonçalves, ícone da TV brasileira, morreu no Rio nesta segunda-feira (30/05), aos 88 anos.  Conhecido por trabalhos marcantes em novelas como “O bem-amado” (1973), “Pecado capital” (1975) e “Sinhá Moça” (1986), ele morreu em casa por volta de 12h30, segundo a família, por consequências de problemas de saúde decorrentes de um AVC sofrido em 2020.

O velório acontecerá nesta terça-feira (31/05) no Theatro Municipal, no Centro da cidade. O horário ainda não foi divulgado.

Nascido em 9 de dezembro de 1933, na pequena cidade de Monte Santo, em Minas Gerais, Milton Gonçalves fez mais de 40 novelas só na Globo, onde também atuou em programas humorísticos e minisséries de sucesso, como as primeiras versões de “Irmãos Coragem” (1970); “A Grande Família” (1972); e “Escrava Isaura” (1976).

Outros trabalhos de destaque do ator foram as séries “Carga Pesada” (1979) e “Caso Verdade” (1982-1986).

Sua atuação como Pai José na segunda versão da novela “Sinhá Moça” (2006) lhe valeu a indicação para o prêmio de Melhor Ator no Emmy Internacional. Na cerimônia, apresentou o prêmio de Melhor Programa Infanto-juvenil ao lado da atriz americana Susan Sarandon. Milton foi o primeiro brasileiro a apresentar o evento.

A última novela que o ator Milton Gonçalves participou na TV Globo foi “O Tempo Não Para” (2018), quando interpretou o catador de materiais recicláveis Eliseu.

Atualmente, ele está no ar com a reprise de “A Favorita” no “Vale a Pena Ver de Novo”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.