Subida das águas do Rio Amazonas obriga ida do Boi Garantido para área de concentração do Bumbódromo

De acordo com dados da Coordenadoria de Defesa Civil, o nível da enchente registrada em Parintins, este ano, está, em média, 19 centímetros acima do mesmo período do ano passado

Por conta do avanço no nível do Rio Amazonas, que começou a entrar na parte do calçamento da Cidade Garantido e invadir os galpões onde são confeccionadas as alegorias e adereços da agremiação, nesta sexta-feira (22/04), a diretoria do Boi Bumbá Garantido comunicou ao governo do Estado, Secretaria de Cultura e Economia Criativa e a prefeitura de Parintins que vai precisar de ajuda para deixar o local e instalar suas oficinas de trabalhos artísticos na área de concentração do Bumbódromo.

De acordo com a direção do bumbá, o comunicado tem por objetivo obter a ajuda necessária para fazer a transferência e a instalação dos equipamentos e insumos para o novo local onde os artistas vão concluir a confecção das alegorias que farão parte das apresentações do bumbá, no Festival Folclórico de Parintins, que acontece nos dias 24, 25 e 26 de junho, próximo.

“Estamos em contato com o governo do Amazonas e a prefeitura de Parintins para termos apoio. Afinal, os trabalhadores não podem fazer nada. Este é o momento de usar soldas e não colocaremos ninguém em risco. Não é a primeira vez que isso acontece e garanto que as dificuldades serão enfrentadas e nós sairemos mais fortes”, informou o presidente do boi bumbá vermelho e branco, Antônio Andrade.  

Andrade disse ainda, que todas as medidas necessárias foram tomadas pela diretoria do bumbá para se antecipar ao problema causado pelo fenômeno natural da enchente e dar qualidade de trabalho aos artistas. “Reformamos o telhado e ajustamos as caneletas, além de termos refeito a parte elétrica.  Porém, as águas que entram na Cidade Garantido vêm do rio e também são da chuva. Teremos que sair”, explicou.

Um planejamento da saída dos módulos de alegorias para a concentração, na área externa do Bumbódromo está sendo elaborado pelos integrantes da Direção Geral do Espetáculo (DGE) e a diretoria da Associação Folclórica Boi Bumbá Garantido.

Para um dos coordenadores da DGE, Ito Teixeira, a questão da cheia prejudicou o início do trabalho de alegorias, assim como as fortes chuvas, que alagaram o galpão central.

“Realizamos o planejamento para organizar o galpão, com melhorias no telhado, nas calhas, nas partes elétricas e a rota de fuga para apresentar ao Ministério do Trabalho”, informa.

Nos galpões, os artistas responsáveis pelas alegorias trabalham para acelerar a confecção da estrutura dos módulos e aprontar o que for possível para facilitar o translado e a montagem final na área de concentração. 

“Como tínhamos a expectativa da cheia ser grande, tivemos que transferir do dia 1º para o dia 10 de março, os trabalhos de galpão, começando a movimentar as bases para os lugares onde os artistas iam trabalhar”, justiçou.

Alegorias na praça

Essa é quarta vez que o Garantido deve montar o projeto artístico de alegorias, na concentração do Bumbódromo, por conta da cheia.

Ito Teixeira atribui o desgaste dos galpões ao descaso de diretorias anteriores e chama atenção para o empenho dos artistas em adiantar a montagem das estruturas metálicas das alegorias para facilitar a remoção à área de concentração do Bumbódromo. A mudança deve ser realizada após da Festa da Alvorada. 

“O projeto de arena não muda, mas teremos um pouco de dificuldades na execução, por conta do trabalho ser ao ar livre, porém, estamos prontos para dar o melhor.  Agora, teremos um processo de mudança. Não podemos construir um galpão, teremos que montar a tenda para trabalhar embaixo e lá montar escultura, montar as peças e colocar nas alegorias. E essa estratégia já planejamos, usando nossa experiência”, afirma

Fotos: Paulo Sicsu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.