Amazonas se despede do juiz Adalberto Carim, um dos responsáveis pela criação da primeira vara ambiental no Brasil

Velório do magistrado está sendo realizado na funerária Canaã, localizada na avenida Major Gabriel – Praça 14. O sepultamento está marcado para 15h desta quinta-feira, no Cemitério São João Batista

Faleceu no início da tarde desta quarta-feira (20/04), em Manaus, aos 56 anos, o juiz de Direito Adalberto Carim Antônio, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Ele estava internado para tratamento de saúde e teve uma parada cardíaca.

O corpo de Adalberto Carim está sendo velado na Funerária Canaã, localizada na avenida Major Gabriel, bairro Praça 14, zona Centro-sul de Manaus. O local e horário do sepultamento ainda não foram informados pela família.

Manauara, o magistrado sempre esteve à frente da defesa de causas em defesa da preservação, sustentabilidade e meio ambiente. Foi um dos responsáveis pela criação da primeira vara ambiental no Brasil, em 1997 – a Vara Especializada em Meio Ambiente e Questões Agrárias da Comarca de Manaus (Vemaqa) –  sendo titular dessa unidade jurisdicional desde então.

O governador do Amazonas Wilson Lima e o prefeito de Manaus, David Almeida, divulgaram notar de pesar pela morte do magistrado. Os dois governantes destacaram o importante papel desempenhado por Adalberto Carim na defesa do meio ambiente.

“O governador Wilson Lima externa solidariedade aos amigos e familiares de Adalberto, nesse momento de profunda dor, pela perda irreparável de um dos homens públicos mais dedicados na defesa da Justiça e do Meio Ambiente no Amazonas”, diz a nota do governo do Amazonas.

O prefeito David Almeida, destacou a trajetória do magistrado à frente da Vara do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça do Amazonas e os projetos que desenvolveu em prol da conscientização ambiental da população e da sustentabilidade.

“Solidarizo-me aos familiares, amigos e colegas de trabalho que tiveram a honra de conviver com o Adalberto, um homem de ação, visionário e pioneiro, que deixa um legado de importância nacional e com certeza, inspirou e ainda vai inspirar muitas pessoas. Ficamos à espera do nosso reencontro, por ocasião do retorno do Nosso Senhor Jesus Cristo”, disse o prefeito.

Cidadania Ambiental

O juiz Adalberto Carim Antonio, começou a trabalhar no TJAM em 1.º de junho de 1990 ainda como assistente jurídico. Passou no concurso público e tomou posse no dia 24 de junho de 1993, iniciando sua atuação na magistratura amazonense na Vara Única da Comarca de Anamã, no interior do Estado.

Atuou no Juizado Especial Criminal e Filho de Olinda Carim Antonio e do desembargador Ataliba David Antonio, falecido em 2007 e que dá nome ao Plenário da sede do Tribunal de Justiça do Amazonas, completaria 57 anos no próximo dia 5 de maio. Desenvolveu diversos projetos como a Oca do Conhecimento, a Justiça Volante Ambiental, o Projeto Sementes da Vida e o Espaço da Cidadania Ambiental (Ecam), todos voltados ao incentivo da cultura da preservação, da sustentabilidade e da educação ambiental, visando maior conscientização do cidadão e da chamada “ecocidadania”.

O magistrado também chegou a receber a Menção Honrosa – Juiz Especial, do VI Prêmio Innovare, com o trabalho “A Justiça do século XXI”; e foi assessor técnico na Conferência das Partes n.º15 da Convenção das Nações Unidas para Mudanças Climáticas em Copenhague – Dinamarca, em 2009.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.