Pesquisa mapeia programas de atenção básica em saúde para mulheres lésbicas e bissexuais

Estudo é desenvolvido com apoio da Fapeam, nos municípios de Manaus, Parintins, Itacoatiara e Manacapuru e pretende mapear a rede de atenção básica em saúde nos quatro municípios do Amazonas

O estudo “Entre o Direito e o Acesso: protoformas de saúde na atenção básica para mulheres lésbicas e bissexuais em quatro municípios do Amazonas” pretende mapear a rede de atenção básica em saúde nos municípios de Manaus, Parintins, Itacoatiara e Manacapuru, afim de identificar a existência de programas de atenção à saúde das mulheres e as peculiaridades quanto ao acesso e atendimento a esse grupo.

E mais, caracterizar o cotidiano de atuação dos profissionais junto aos sujeitos da pesquisa, assim como as particularidades no atendimento; conhecer os desafios das mulheres lésbicas e bissexuais no que se refere ao direito, acesso e permanência aos programas da atenção básica de saúde e realizar a devolutiva dos dados, por meio de reunião ampliada, com uso de materiais de sensibilização, orientação, junto aos profissionais da rede de atenção básica de saúde nos quatro municípios pesquisados.

De acordo com a coordenadora do estudo, professora do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), doutora Lidiany de Lima Cavalcante, as mulheres lésbicas e bissexuais abandonam os serviços de saúde devido ao preconceito e discriminação que sofrem, resultando na falta de prevenção e acarretando quadros de câncer, que poderiam ser evitados com políticas de humanização em saúde, práticas de acolhimento e reconhecimento das diferenças.

“Sabe-se que o Sistema Único de Saúde (SUS), no bojo da atenção básica, objetiva e preconiza pelo princípio da Universalidade. Entretanto, a população de mulheres bissexuais e, sobretudo, de lésbicas, apresenta demandas de intervenção em saúde com várias especificidades. Com o projeto, objetivamos ouvir essas mulheres, assim como, também, os profissionais de saúde, para que possamos, na perspectiva de uma pesquisa-ação, oferecer aos profissionais de saúde dos municípios, uma formação sobre as especificidades no atendimento à saúde, das referidas mulheres”, afirma a coordenadora.

O estudo, apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Apoio à Pesquisa – Universal Amazonas, pretendia alcançar 70 mulheres e 150 profissionais, mas já atingiu mais de 140 profissionais e está próximo a alcançar 90 mulheres.

Metodologia

De acordo com a coordenadora do estudo, a metodologia aplicada consiste na pesquisa-ação e realização de entrevistas com profissionais de saúde que atuam na atenção básica. Com as mulheres, são aplicados questionários, para maior alcance de participantes.

A pesquisa-ação contempla, ao final das análises, a realização de uma formação específica sobre gênero, diversidade sexual e as especificidades de mulheres lésbicas e bissexuais na atenção básica em saúde, com ênfase em acesso à saúde, exames preventivos de direitos sexuais e reprodutivos.

 “Nosso objetivo é ouvir ambos os representantes, ponderar os resultados e fazer a devolutiva para a sociedade, juntamente com uma proposta de formação para os profissionais. Sabemos que a temática da diversidade sexual se apresenta como tabu, mesmo no século 21, mas precisamos desconstruir esses paradigmas, para que possamos fomentar a inclusão na atenção básica em saúde”, explica a pesquisadora.

Apoio Fapeam

Lidiany Cavalcante destaca a relevância do apoio da Fapeam no fomento a essa pesquisa, que se caracteriza por ser inédita no âmbito brasileiro como pesquisa-ação de abrangência das Ciências Humanas e Sociais.

“O olhar e reconhecimento da Fapeam sobre o tema, apontam caminhos importantes no limiar do reconhecimento da diversidade sexual como condição humana, assim como nas protoformas de ação-reflexão-ação, já que oportuniza não apenas o desenvolvimento de uma pesquisa, mas o retorno concreto para a sociedade, assim como o alicerce para que o poder público e sociedade civil, possam pensar conjuntamente estratégias de inclusão e reconhecimento do público participante da pesquisa, no cenário da atenção básica em saúde”, afirma, destacando o apoio governo do Estado na realização da pesquisa relevante no âmbito da saúde da mulher.

Alerta

Lidiany Cavalcante observa que o estudo, ainda em fase final da etapa de campo, visa também chamar a atenção dos movimentos sociais que atuam nas plataformas de direitos humanos, direitos sexuais e reprodutivos de mulheres, para que as respectivas protagonistas não abandonem os serviços de saúde, mas possam fomentar estratégias de retorno para garantir todos os âmbitos da prevenção, não apenas das modalidades de cânceres que atingem o público feminino, mas que possam ter acesso à prevenção de infecções sexualmente transmissíveis e o direito à saúde sexual e reprodutiva, de forma plena e consciente.

Universal Amazonas

O Programa de Apoio à Pesquisa – Universal Amazonas financia atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, ou de transferência tecnológica, em todas as áreas do conhecimento, que representem contribuição significativa para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Amazonas em instituição de pesquisa ou ensino superior ou centro de pesquisa, públicos ou privados, sem fins lucrativos, com sede ou unidade permanente no estado.

Foto- Érico Xavier/Fapeam

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.